14 de out de 2008

O que propõem os austríacos para solucionar a crise?

Depois da crise gerada pelo intervencionismo estatal no sistema econômico e da ilustrada explicação fornecida pelos economistas associados à escola austríaca de economia, conforme, em resumo, expus no post anterior, convém questionar quais as soluções - se é que existem - que os “austríacos” fornecem para debelar tal crise e recolocar a economia nos trilhos do crescimento econômico sustentável [1].

Sim, os austríacos não apenas parecem fornecer a mais sólida e reveladora explicação das crises econômicas como a que ora vivemos, mas também propõem soluções. A solução austríaca, como é de se intuir, passa ao largo das soluções que estão sendo sinalizadas mundo a fora, a saber, a criação de pacotes econômicos de ajuda financeira às instituições falidas ou à beira de falir. Ou seja, os austríacos mantêm-se distante de tentar curar o alcoólatra moribundo com ainda mais cachaça.

Via de regra, entendem que a crise deve ser solucionada com políticas econômicas restritivas, não porque tratam-se de um mecanismo de ação estatal em si, mas porquê elas são as únicas saídas para reordenar a economia e colocá-la de volta no lugar de onde nunca deveria ter saído: nos trilhos da realidade econômica. Medidas como a) reposicionar os juros, isto é, elevá-los à níveis condizentes com a disponibilidade real de poupança, b) cortar os gastos públicos, c) não imprimir moeda-papel, devem ser adotadas pelos governos a fim de evitar o colapso do sistema.

Certamente, estas medidas terão um custo, com maior desemprego, falência de certas indústrias etc. Mas este remédio amargo é inevitável e necessário para colocar a economia de volta nos trilhos. Vencida a crise e restabelecida a normalidade do mercado, os austríacos ainda têm mais proposições a fazer, e não são poucas. De fato, entra-se aí numa discussão interna, pois alguns contemporâneos, por exemplo, defendem uma atuação estatal bastante tímida, diria passiva, deixando o mercado o mais livre possível, evitando distorcer a sua estrutura. Outros, porém, como Mises e Rothbard, argumentam a favor da extinção total de todos os BCs e de toda e qualquer intervenção do Estado, inclusive no âmbito tributário, por entenderem que tais intervenções apenas e somente agravam a economia. Neste caso, sugerem a volta do padrão ouro, o sistema monetário genuinamente de mercado, ou, então, como originalmente Hayek propôs, defendem que os bancos, em regime de concorrência, emitam a sua própria moeda, e os agentes econômicos escolheriam livremente qual moeda utilizar em suas transações. Hayek pretende combater o monopólio do Estado em emitir moeda, pois considerava que o monopólio na oferta de moeda não tem incentivos para permanecer previdente, sendo o grande causador das graves crises econômicas.

Mas, para encerrar, e apesar destas contendas que valem a pena serem melhor analisadas, uma coisa é certa: os austríacos são ardorosos defensores da menor intervenção possível do Estado na atividade econômica. Estão convictos que deixar o Estado afastado da economia é como deixar a bebida longe do ex-alcoólatra.
________
[1] Uso o termo “sustentável” no sentido de crescimento econômico persistente, sem graves distúrbios como o atual. Portanto, nada a ver com o modal termo usado na discussão de cunho ambiental.

6 comentários:

Matheus Pacini disse...

Boa tarde Lucas!
Como esta o amigo economista?
Coloquei em meu blog um post referindo-se aos dois artigos que escreveste sobre a crise atual! Se quiser fazer algum complemento por la, saiba que existe o contraponto de Ederson Grandi.

Abraco!

Matheus Pacini disse...

Boa tarde Lucas!
Como esta o amigo economista?
Coloquei em meu blog um post referindo-se aos dois artigos que escreveste sobre a crise atual! Se quiser fazer algum complemento por la, saiba que existe o contraponto de Ederson Grandi.

Abraco!

Matheus Pacini disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Igor Martins disse...

Então, eu sempre leio o blog e simpatizo com os ideais libertários, por isso vou colocar aqui um link pro site da Slate Magazine sobre isso. Será que consegues dar uma olhada?

http://www.slate.com/id/2202489/

abraços,

Gabriel Zanotti disse...

Felicitaciones por tu claridad de ideas Lucas!!!!!

Diego disse...

Vc realmente acha que aumentar a taxa de juros e cortar gastos públicos vão evitar o colapso do sistema? Eu acho plausível que não intervir no mercado pode ser melhor no longo prazo, a custa de uma perda gigante no curto prazo. Agora dizer que podemos impedir o colapso do sistema por medidas restritivas é meio sem lógica.
Obs: o BC pode escolher ou a taxa de juros ou o nível de moeda, entendida não só como papel moeda. Uma dessas variáveis é necessariamente endógena.