25 de set de 2004

A Praxeologia e a Ciência Econômica

“Não há uma teoria econômica específica para cada país ou região; o que existe é uma teoria econômica epistemologicamente correta, que é a que se constrói a partir do estudo da ação humana.”
Ubiratan Iorio

Introdução

Neste artigo pretendo fazer um resumo acerca do método na ciência econômica descoberto pelo economista austríaco Ludwig von Mises (1881-1973). Esse método foi denominado praxeologia, que significa teoria geral da ação humana. Segundo Mises, é através do estudo da ação humana que se alcança a verdade na ciência econômica. A praxeologia oferece alguns axiomas irredutíveis como, por exemplo, de que o homem age sempre com a intenção de aumentar o seu conforto ou reduzir seu desconforto. Importante frisar que, como ação, no sentido que lhe dá von Mises, significa qualquer ato deliberado, que tanto pode ser fazer, como deixar de fazer alguma coisa.

A praxeologia

Ludwig von Mises, economista da terceira geração da Escola Austríaca de Economia, concebeu um método de investigar os problemas de ordem econômica, bem como, de averigua-los, que pode-se dizer com tranqüilidade que ele foi o economista que desenvolveu o verdadeiro método da ciência econômica ou da economia política.

O postulado da praxeologia, ou seja, da ação humana, supre todas as questões que se impõe no plano da ação individual ao longo do tempo e em qualquer lugar, isto é, da economia. Pois uma ciência só é verdadeira quando seu método é válido em qualquer época do tempo e em qualquer lugar do espaço. A isso se denomina universalidade da ciência.

Para entender a economia e os efeitos de uma determinada ação, seja ela governamental, seja do setor privado, ou mesmo da própria natureza, o postulado da ação desenvolvido por Mises é uma categoria econômica impossível de ser refutada. Esse importante axioma reconhece que os homens agem sempre com o propósito de diminuir seu desconforto, levando em conta seus valores que são individuais, subjetivos e intransferíveis. Assim, a ciência econômica nos diz, apenas, que as pessoas preferem mais utilidade do que menos (mais dinheiro, do que menos; preferem a saúde à doença; preços mais baixos, do que mais altos etc. etc.).

O Mercado e o Estado

Quando se verifica que o indivíduo age sempre com o propósito de sair de um estado menos satisfatório para outro estado mais satisfatório, fica fácil de entender que o mercado, como falou o filósofo Olavo de Carvalho, não é uma lei que um governante baixou e que outro possa revogar, mas é uma dimensão da existência humana. Assim, a partir do momento em que os indivíduos agem, estão dados os estímulos para a produção dos bens e serviços que os consumidores desejam. Este sistema permitirá que as pessoas percebam que há oportunidades de ganho no mercado e passarão a produzir determinados bens, precisamente aqueles que os consumidores julgarem mais importantes, isto é, em que estão dispostos a pagar um preço. Dessa forma, só no livre mercado ocorrem as melhores condições para a mais apropriada alocação dos escassos recursos econômicos.

O problema da intervenção do Estado fica muito claro quando se analisa a economia a partir do método praxeológico, terreno em que as falsas teorias não dão conta, quando, por exemplo, acreditam que a economia está ou pode atingir o equilíbrio geral, ou mesmo que o mercado é perfeito, ou ainda que o Estado pode aumentar o bem-estar da população.

Reconhecendo que a economia é ação humana ao longo do tempo sob condições de incerteza, evidentemente que o mercado nunca estará em equilíbrio, pois ele é formado pelas dezenas de milhares de ações individuais que ocorrem a todo o momento e ao longo do tempo, sendo impossível, por exemplo, que exista em economia um “estado de equilíbrio”. Entretanto, o mercado tende ao equilíbrio, porém, nunca o alcança, pois dada as necessidades ilimitadas do homem, a categoria ação garante que os homens nunca estão num estado de inação; mas estão sempre agindo e, ao longo do tempo, mudando seus gostos e preferências. Por isso a ciência econômica pode afirmar com certeza que, quando a economia está chegando no tal "equilíbrio", uma nova ação empreendida no mercado já o anula e novamente há uma tendência ao equilíbrio, porém, ressalta-se, a economia nunca o alcança. Decorre daí outro axioma descoberto pelos economistas da Escola Austríaca, qual seja, que o mercado é um processo e nele não existe “estado de equilíbrio” ou um “estado final”.

Assim, o conceito de mercado não pode ser expresso por algo matemático e frio que permita que se façam cálculos para medi-lo, como querem alguns postulados econômicos ainda ensinados nas universidades. De fato, a partir da ciência da ação humana, revela-se que o mercado é um processo, justamente por ele ser uma dimensão da ação humana.

Por isso, toda intervenção do Estado na economia só poderá modificar (e para pior) o emprego dos recursos que seriam estabelecidos pela ação individual, livre e voluntária no mercado. Daí, deduz-se claramente que o processo de mercado direcionará os recursos (trabalho, capital, terra, insumos, tempo) para que sejam aplicados de acordo com as vontades dos consumidores que se materializam no mercado. A intervenção estatal serve apenas para desvirtuar o emprego desses recursos para serem empregados em “setores” menos urgentes de acordo com o julgamento dos consumidores. Assim, o deslocamento para outras linhas produtivas - estimuladas através da coerção estatal - gera um ganho de um lado (aquele em que o governo julgou importante) e uma perda noutro, exatamente naquela linha de produção em que os consumidores livres e voluntariamente julgavam mais importantes. Infelizmente, o Estado não tem o poder de criar riquezas, assim, ele apenas tira de uns para dar a outros. Deste modo, com toda a segurança que o postulado da praxeologia nos proporciona, pode-se ter certeza que o Estado desviará o emprego dos recursos para outras linhas de produção em que os consumidores não julgam as mais urgentes.

A ação estatal na economia de mercado gera mais malefícios do que benefícios, pois a distorção na alocação dos escassos recursos econômicos sempre serão desvirtuados para linhas de produção necessariamente menos urgentes, o que além de desperdiçar os recursos, acabará por prejudicar aqueles “setores” da economia em que os consumidores desejam que os recursos fossem empregados com mais urgência. Percebe-se daí, que o maior bem estar só pode ser alcançado numa economia livre da coerção estatal.

Um exemplo praxeológico prático. No Brasil, a oferta de guaraná é garantida pela iniciativa privada, pois não há nem um guaraná no País que seja produzido por uma estatal. É fácil perceber a partir daí, que além de existir inúmeras marcas e preços deste produto, ao ponto do consumidor poder escolher entre eles qual comprar e a que preço, também, não há registro que o guaraná tenha faltado nos supermercados, bares etc. Entretanto, desafio que se identifique um produto ou serviço estatal. Digamos educação ou mesmo segurança. Quem oferta segurança no Brasil é o Estado. Qualquer pessoa sabe que o serviço de segurança (bem como o de educação) pública no Brasil é absolutamente ineficiente, mal pago e caótico, apesar dos elevados gastos do Estado nestes setores e dos impostos que cobra dos cidadãos. Mas aí alguns dirão: - Ah, mas o guaraná não é um bem essencial à sobrevivência da população, por isso o mercado pode dar conta suficiente da oferta!

Ora, por acaso os alimentos e o vestuário não são bens essenciais à sobrevivência das pessoas? E, por acaso não é o mercado o responsável pela produção desses bens? E, não obstante, foi o mercado que conseguiu ofertar da melhor forma esses bens e pelos menores preços, ao menos muito melhores e mais baratos que se fossem ofertados pelo Estado. Em definitivo, só através do livre mercado que o bem-estar social pode ser maximizado.

A guisa de conclusão

O desenvolvimento das nações depende exclusivamente das medidas governamentais que passarão a não serem implementadas pelo Estado, ao mesmo tempo que, terão que ser gradativamente depostas aquelas que ora estão em andamento aos seus cuidados. O aparato de coerção e compulsão por excelência não tem nada a contribuir para o desenvolvimento das nações. A ciência econômica nos garante que o Estado é um corpo estranho na economia e que precisa ser combatido.

_________________________

Referências Bilbiográficas:

Mises, Ludwig von. Ação humana: um tratado de economia. 2 .ed. – Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1995. 890 p.

Rothbard, Murray N. O essencial Von Mises. 2. ed. – Rio de Janeiro: José Olympio: Instituto Liberal, 1984. 50 p. (Série Pensamento Liberal; n. 1).

Iorio, Ubiratan J. Economia e Liberdade – a escola austríaca e a economia brasileira. 2. ed.(atual. e ampl.) – Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997. 240 p.

3 comentários:

Anônimo disse...

Nice site!
[url=http://xuultfls.com/hrcs/xeis.html]My homepage[/url] | [url=http://mmvnmbft.com/anwb/hgrh.html]Cool site[/url]

Anônimo disse...

Well done!
My homepage | Please visit

Anônimo disse...

Great work!
http://xuultfls.com/hrcs/xeis.html | http://sctqdzif.com/vknk/izlk.html